Safra de cereais, leguminosas e oleaginosas cresce 7,8% em 2015

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosa, de 2015, totalizou 209,7 milhões de toneladas, novo recorde, superando em 7,8% à obtida em 2014. O valor de produção desses produtos atingiu R$ 147,4 bilhões, um aumento de 7,8%. As boas condições climáticas e a expansão da área cultivada com a soja e com o milho 2ª safra foram os principais fatores responsáveis por este aumento da produção, segundo a Pesquisa Agrícola Municipal divulgada pelo IBGE.

Tabela 1 – Área plantada ou destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida,
rendimento médio, valor da produção, variação da produção e do valor da produção
em relação ao ano anterior, segundo os principais produtos – Brasil – 2015

Principais produtos Área Quantidade produzida (t) Rendimento médio (kg/ha) Valor da produção (1.000 R$) Variação (%) Participação no total do valor da produção nacional (%)
Plantada e
destinada à
colheita (ha)
Colhida (ha) Da produção em relação ao ano anterior Do valor da produção em relação ao ano anterior
Total
76.797.976
75.831.419
..
..
265.488.161
2,6
5,6
100,0
Soja (em grão)
32.206.387
32.181.243
97.464.936
3.029
90.357.010
12,3
7,1
34,0
Cana-de-açúcar
10.161.622
10.093.171
748.636.167
74.173
43.665.638
1,7
3,7
16,4
Milho (em grão)
15.846.517
15.406.010
85.284.656
5.536
29.771.411
6,8
14,5
11,2
Café (em grão) total (1)
1.988.272
1.979.714
2.645.494
1.336
15.853.778
(-) 5,7
1,1
6,0
Café (em grão) arábica (1)
1.535.635
1.530.564
1.993.789
1.303
12.909.475
(-) 0,9
1,4
4,9
Café (em grão) canephora (1)
452.637
449.150
651.705
1.451
2.944.303
(-) 17,7
(-) 0,5
1,1
Arroz (em casca)
2.162.178
2.138.397
12.301.201
5.753
8.662.295
1,0
3,6
3,3
Mandioca
1.536.161
1.512.660
23.059.704
15.244
8.234.091
(-) 0,8
(-) 13,8
3,1
Algodão herbáceo (em caroço)
1.047.622
1.046.801
4.066.791
3.885
7.690.946
(-) 4,0
(-) 5,4
2,9
Feijão (em grão)
3.130.036
2.864.625
3.090.014
1.079
6.032.205
(-) 6,2
16,6
2,3
Fumo (em folha)
406.377
405.881
867.355
2.137
5.882.511
0,6
(-) 2,8
2,2
Banana (1)
484.430
475.976
6.844.491
14.380
5.790.992
(-) 1,6
3,8
2,2
Laranja (1)
668.189
665.174
16.746.247
25.176
5.635.413
(-) 1,1
1,8
2,1
Tomate
63.626
63.572
4.187.729
65.874
4.892.964
(-) 2,7
(-) 5,6
1,8
Batata-inglesa
131.943
131.931
3.867.681
29.316
4.202.672
4,8
29,9
1,6
Trigo (em grão)
2.490.115
2.472.628
5.508.451
2.228
3.116.305
(-) 12,0
2,2
1,2
Uva (1)
78.026
78.011
1.497.302
19.193
2.322.996
3,0
2,3
0,9
Abacaxi (1) (2)
69.565
69.165
1.801.415
26.045
2.218.862
2,1
17,8
0,8
Cacau (em amêndoa)
678.349
676.902
273.124
403
2.156.004
(-) 0,2
35,6
0,8
Cebola
57.923
56.677
1.445.989
25.513
1.814.510
(-) 12,2
35,4
0,7
Maçã (1)
35.872
35.842
1.264.651
35.284
1.311.868
(-) 8,3
(-) 5,4
0,5
Pimenta-do-reino (1)
22.384
22.105
51.739
2.341
1.268.387
22,2
90,0
0,5
Melancia
97.910
95.965
2.119.559
22.087
1.233.944
(-) 2,4
(-) 0,6
0,5
Mamão (1)
30.445
30.285
1.463.770
48.333
1.164.872
(-) 8,7
(-) 3,8
0,4
Coco-da-baía (1) (2)
253.383
251.665
1.958.663
7.783
1.114.109
0,7
(-) 8,3
0,4
Maracujá (1)
51.187
50.837
694.539
13.662
921.275
(-) 15,6
(-) 6,5
0,3
Limão (1)
47.391
46.078
1.180.271
25.615
847.030
7,1
5,5
0,3
Manga (1)
64.412
64.305
976.815
15.190
841.125
(-) 13,7
4,7
0,3
Alho
10.791
10.789
117.272
10.870
793.865
25,1
63,6
0,3
Tangerina (1)
50.936
48.975
999.686
20.412
753.552
3,6
1,5
0,3
Amendoim (em casca)
148.316
147.872
500.060
3.382
634.593
24,2
23,8
0,2
Borracha (látex coagulado) (1)
154.182
144.176
319.259
2.214
623.857
(-) 0,4
(-) 10,6
0,2
Sorgo granífero (em grão)
740.622
732.981
2.136.450
2.915
586.785
(-) 6,3
1,9
0,2
Batata-doce
44.742
43.920
595.977
13.570
585.615
13,3
11,3
0,2
Erva-mate (folha verde) (1)
98.709
94.945
602.899
6.350
579.191
0,1
(-) 13,6
0,2
Goiaba (1)
17.688
17.603
424.305
24.104
476.807
18,1
32,8
0,2
Melão
20.837
20.762
521.596
25.123
470.921
(-) 11,6
(-) 4,2
0,2
Pêssego (1)
17.451
17.436
216.241
12.402
394.768
2,4
18,3
0,1
Dendê (cacho de coco) (1)
140.082
140.082
1.585.088
11.315
375.631
13,7
9,4
0,1
Sisal ou agave (fibra) (1)
197.758
197.748
183.560
928
349.289
33,0
38,2
0,1
Caqui (1)
8.613
8.588
192.327
22.395
290.666
5,5
15,7
0,1
Castanha de caju (1)
619.196
586.523
102.485
175
265.177
(-) 4,9
43,1
0,1
Abacate (1)
10.381
10.354
180.636
17.446
246.461
15,3
54,9
0,1
Palmito (1)
22.537
22.416
109.409
4.881
212.065
(-) 25,2
(-) 52,2
0,1
Aveia (em grão)
302.678
296.608
504.957
1.702
210.874
16,9
24,4
0,1
Girassol (em grão)
111.843
111.803
155.018
1.387
134.104
(-) 2,2
1,7
0,1
Cevada (em grão)
87.575
86.409
186.285
2.156
97.628
(-) 25,9
(-) 27,2
0,0
Figo (1)
2.855
2.855
29.063
10.180
81.936
3,6
7,7
0,0
Mamona (baga)
84.421
82.424
46.735
567
67.486
24,4
32,4
0,0
Urucum (semente) (1)
11.950
11.777
14.420
1.224
55.910
15,2
26,3
0,0
Pera (1)
1.453
1.453
21.160
14.563
38.804
10,8
16,2
0,0
Guaraná (semente) (1)
11.381
11.361
3.596
317
37.815
0,2
1,7
0,0
Fava (em grão)
21.329
18.621
4.048
217
32.534
(-) 47,3
(-) 48,4
0,0
Noz (fruto seco) (1)
3.136
3.129
5.201
1.662
31.555
(-) 4,1
15,1
0,0
Linho (semente)
14.655
14.655
12.245
836
17.376
153,1
209,5
0,0
Triticale (em grão)
18.376
18.326
39.959
2.180
14.582
(-) 22,9
(-) 22,0
0,0
Malva (fibra)
5.011
4.625
4.917
1.063
8.224
(-) 39,5
(-) 47,7
0,0
Ervilha (em grão)
1.373
1.373
2.561
1.865
6.065
(-) 30,6
(-) 20,1
0,0
Centeio (em grão)
4.725
3.615
4.916
1.360
3.390
10,4
64,1
0,0
Chá-da-índia (folha verde)
650
215
2.724
12.670
2.376
(-) 55,4
(-) 62,2
0,0
Juta (fibra)
683
664
953
1.435
2.044
(-) 18,7
(-) 13,2
0,0
Azeitona (1)
403
400
520
1.300
1.187
1,6
7,2
0,0
Marmelo (1)
116
116
841
7.250
1.161
47,5
76,7
0,0
Rami (fibra)
120
120
216
1.800
363
100,0
124,1
0,0
Tungue (fruto seco) (1)
80
80
609
7.613
292
101,7
175,5
0,0

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Produção Agrícola Municipal 2015.
(1) A área plantada refere-se à área destinada à colheita no ano. (2) Quantidade produzida em 1 000 frutos e rendimento médio em frutos por hectare.

Produção de soja cresceu no MT, PR e RS, mas caiu em GO devido à seca

Pelo quarto ano consecutivo, em 2015 foi alcançado novo recorde de produção de soja, que responde por 34,0% do total do valor de produção agrícola. A produção superou em 12,3% a de 2014, sendo produzidas ao todo 97,5 milhões de toneladas em 32,12 milhões de hectares.

Mato Grosso (28,6%), Paraná (17,7%) e Rio Grande do Sul (16,1%) produziram 62,4% do total colhido no país. Dentre estes três estados, Mato Grosso e Paraná sofreram com os atrasos da chuva e, por consequência, com os atrasos no plantio. A má condição climática inicial não persistiu ao longo do desenvolvimento da cultura em ambos os estados e o resultado foi a elevação do rendimento médio. O Mato Grosso produziu 27,9 milhões de toneladas em 9,0 milhões de hectares, números maiores 5,1% e 4,1%, respectivamente, que os do ano anterior. O rendimento médio foi de 3.106 kg/ha, alta de 0,9% em comparação com 2014.

Dos 20 principais municípios produtores, 13 são mato-grossenses. Sorriso (2,0% da produção nacional) liderou o ranking de produção de soja, ao atingir 2,0 milhões de toneladas.

O Paraná recuperou-se da queda de safra observada 2014, efeito do clima quente e seco daquele ano. Em 2015, foram produzidas 17,2 milhões de toneladas em 5,2 milhões de hectares, altas de 15,5% e 4,6% em relação ao ano anterior, respectivamente. Rio Grande do Sul colheu 15,7 milhões toneladas de soja, em uma área de 5,3 milhões de hectares, com rendimento médio de 2.983 kg/ha, crescimento de 20,4% para a produção, 5,5% para a área e 14,1% para o rendimento médio.

Goiás foi o único estado, dentre os cinco maiores produtores nacionais, que teve queda na produção (-3,7%) em 2015, em relação ao ano anterior. A seca, que atrasou o plantio, persistiu ao longo do desenvolvimento da cultura, fazendo com que o rendimento médio passasse de 2.814 kg/ha em 2014, para 2.640 kg/ha em 2015, uma redução de 6,1%.

Mapa 7 – Produção de soja (em grão) no País, com destaque para os dez principais municípios produtores – Brasil

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Produção Agrícola Municipal 2015.

Goiás ultrapassa Minas na produção de cana-de-açúcar

Perdendo apenas para a soja, a cana-de-açúcar respondeu por 16,4% do valor da produção em 2015 (R$ 43,7 bilhões), atingindo 748,6 milhões de toneladas, um aumento de 1,7%, que ocorreu devido à melhor distribuição de chuvas durante o ano. Já a área colhida sofreu uma redução de 3,1%, que pode estar relacionada ao processo de reforma dos canaviais. São Paulo, que respondeu por 56,1% da produção nacional, apresentou um aumento de 5,5% na produção, e Goiás (9,3%) assumiu a segunda colocação, ultrapassando Minas Gerais (9,1%). O estado possui uma área recente de expansão da lavoura, com canaviais novos com boa produtividade e alta tecnologia.

Entre os municípios, tiveram destaque Morro Agudo (SP), com 1,0% da produção nacional, Quirinópolis (GO), com 0,9%, Rio Brilhante (MS) e Uberaba (MG), ambos com 0,8%.

Milho tem safra recorde devido ao prolongamento do período chuvoso

Ocupando a terceira posição no total do valor da produção agrícola, com 11,2%, a produção do milho em grão de 2015 foi de 85,3 milhões de toneladas, número recorde. A primeira safra de milho, colhida no primeiro semestre do ano civil de referência, foi avaliada em 29,0 milhões de toneladas e participou com 34,0% da produção nacional. A segunda safra atingiu 48,9 milhões de toneladas, e participou com 66,0% da produção total em 2015.

As principais unidades da federação produtoras de milho em grão em 2015 foram: Mato Grosso (com participação nacional de 25,0%), Paraná (18,5%), Mato Grosso do Sul (11,4%), Goiás (11,2%), Minas Gerais (8,0%) e Rio Grande do Sul (6,5%). O Mato Grosso colheu a maior safra de milho de sua história, devido, principalmente, à segunda safra, que obteve uma produção de 21,0 milhões de toneladas. Isso resultou de três fatores: o atraso das chuvas durante a primeira safra, que reduziu a janela de plantio de culturas concorrentes mais sensíveis à falta de água; os preços do milho retornaram a patamares normais após a queda observada em 2014; e as chuvas se prolongaram além do normal, favorecendo mesmo aqueles que haviam plantado fora da janela ideal de plantio.

O Paraná também obteve bons números nesta safra, 11,2 milhões de toneladas, devido ao aumento de 8,1% no rendimento médio, comparando-se ao obtido na safra do ano anterior. O Mato Grosso do Sul teve produção de 9,6 milhões de toneladas, influenciada pelo aumento de 5,8% na área colhida e de 12,3% no rendimento médio, em comparação com 2014. Para Goiás, a produção de 7,8 milhões de toneladas do milho segunda safra também cresceu, em relação a 2014, refletindo os aumentos de 2,6% na área colhida e de 8,4% no rendimento médio.

O ranking municipal mostra Sorriso (MT) como o principal produtor de milho em grão do país, participando com 3,1% da produção nacional, seguido por Jataí (GO), com 1,9%, Rio Verde (GO), com 1,8% e Maracaju (MS), com 1,4%. Na mesma ordem, estes municípios também foram os que apresentaram a maior área plantada e o maior valor bruto da produção.

Produção de Café cai 1,4% em MG e 20,2% no ES

A produção de café em 2015 alcançou 2,6 milhões de toneladas, ou 44,1 milhões de sacas de 60 kg, queda de 5,7% frente ao ano anterior, respondendo por 6,0% do valor de produção. O café arábica participou com 75,4% e o canephora (Conillon) com 24,6% do total. O valor da produção foi de R$ 15,9 bilhões, com R$ 12,9 bilhões para o arábica e R$ 2,9 bilhões para o canephora, a despeito de essa espécie ser comercializada a preço inferior.

Minas Gerais é o maior produtor de café do país, com 1,3 milhão de toneladas, ou 22,4 milhões de sacas de 60 kg, participando com 50,9% do total. No estado, predomina o cultivo da espécie arábica, 98,5% do total produzido. Em termos gerais, o clima beneficiou as produções da Zona da Mata e Sul de Minas, tendo reduzido a produção do Cerrado, em função de um ano de poucas chuvas e mal distribuídas. Em decorrência disso, houve redução de 1,4% na produção desse produto no estado, chegando a 1,3 milhões de toneladas.

O Espírito Santo é o segundo maior produtor do país, com 618,2 mil toneladas, ou 10,3 milhões de sacas de 60 kg, queda de 20,2% frente a 2014. O estado, que participou com 23,4% da produção nacional de café em 2015, é responsável por 69,2% do café canephora produzido pelo país, ou 450,2 mil toneladas. Chuvas escassas e mal distribuídas durante o verão derrubaram em 24,5% a produção do canephora no estado.

Dos vinte municípios maiores produtores de café do país, seis são mineiros: Patrocínio, Nova Resende, Manhuaçu, Três Pontas, Campestre e Campos Altos; dez são capixabas: Jaguaré, Vila Valério, Sooretama, Nova Venécia, Linhares, São Mateus, Rio Bananal, Boa Esperança, Brejetuba e Pinheiros; três são baianos: Prado, Itamaraju e Barra do Choça; e um é paulista: Garça.

Petrolina mantém 1ª lugar na fruticultura, apesar da queda no preço da uva

O valor da produção nacional das frutíferas cresceu 3,4% em 2015 frente a 2014, atingindo 26,5 bilhões. Os principais produtos são a banana (21,9%), laranja (21,3%), uva (8,8%), abacaxi (8,4%), maçã (5,0%) e melancia (4,7%).

São Paulo participa com 24,9% do valor da produção nacional de frutíferas, chegando a R$ 6,6 bilhões, com produção de laranja (55,5%), banana (11,8%) e limão (7,6%). Bahia contribui com 11,9% do valor da produção de frutas (R$ 3,2 bilhões), tendo como principais culturas a banana (28,0%), mamão (17,7%) e coco-da-baía (11,2%).

O ranking do valor da produção nacional de frutíferas em 2015 foi liderado pela participação municipal de Petrolina/PE (2,8%), Floresta do Araguaia/PA (1,4%), São Joaquim/SC (1,0%), Casa Branca/SP (1,0%), Bom Jesus da Lapa/BA (0,9%) e Jaíba/MG (0,8%).

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s