Cidade Universitária leva em conta a importância de Itabuna como polo regional

 

O projeto da Cidade Universitária leva em conta que Itabuna por ser um polo da região Sul da Bahia reúne um grande número de instituições de ensino superior com campus e escritórios locais que operam pelo sistema de ensino à distância EAD, e se consolida como polo regional de educação e prestador de serviços, funcionando também como um centro de logística, fatores geradores de emprego e renda.

Na justificativa, é destacado que no artigo 30 da Constituição Federal compete aos municípios legislar sobre assuntos de interesse local, assim, “o Programa Cidade Universitária propõe colocar Itabuna no patamar das cidades simpáticas ao estudante universitário, desenvolvendo políticas específicas de priorização do alunado, vocacionando-o em contrapartida para a prestação de serviços em locais de interesse público.”

O projeto que declara Itabuna, cidade com uma população de 220 mil habitantes, como polo educacional e cidade universitária tem como base a sua condição de polo regional de serviços na área de educação, saúde e como um importante centro financeiro. Também enfatiza que a cidade reúne uma pluralidade de instituições de ensino superior, “públicas e privadas, havendo, ademais, a notícia da implantação de outras duas instituições, consolidando cursos como direito, medicina, odontologia, engenharia, fisioterapia, contabilidade, pedagogia e outras carreiras”.

Ao considerar a situação de Itabuna como polo da microrregião do cacau, com mais de 100 municípios no seu entorno, que direcionam diariamente um extenso número de alunos para as universidades locais, o projeto que declara Itabuna cidade universitária consubstancia os atos administrativos para a promoção e favorecimento da educação superior na cidade, com a finalidade de fomentar as práticas educacionais facilitando a acessibilidade e o manejo da infraestrutura de apoio às instituições de ensino superior.

Tecnologia

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, José Vivaldo Mendonça, que representou o governador Rui Costa, durante a solenidade de assinatura do protocolo para implantação do curso de medicina das Faculdades Santo Agostinho e anúncio do projeto da Cidade Universitária, disse que Itabuna está incluída entre os 27 polos de desenvolvimento tecnológico da Bahia, os quais estão sendo implantados pelo governo em todas as regiões do estado.

Para ele, inovação é fazer isto que está sendo realizado em Itabuna através da parceria entre o Governo Municipal e a iniciativa privada no sentido de transformar a cidade num centro de ensino superior. Ele parabenizou o prefeito Fernando Gomes pela sua determinação e luta em defesa de Itabuna e da região, contribuindo para o seu desenvolvimento através da educação: “e o que vemos aqui é a união entre o governo, a academia e o setor produtivo com um objetivo comum, o que vai permitir avanços e inovações no rumo do desenvolvimento,” complementou Mendonça.

De acordo com o secretário, a proposta do governo do estado é construir na região Sul da Bahia, um ambiente de Governança, com a participação da Amurc, do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Litoral Sul e o envolvimento dos prefeitos com o objetivo de retomar o desenvolvimento da região. “A região precisa retomar a pauta do cacau, e partir para a diversificação, fortalecendo o sistema Cabruca e demais sistemas de plantio”. E finalizou ressaltando que Itabuna, com a sua infraestrutura, é o ponto de conexão que unirá ações e processos para o desenvolvimento regional.

Os polos de desenvolvimento tecnológico da Bahia têm como áreas prioritárias Biotecnologia e Saúde, Tecnologia da Informação e da Comunicação, Energia e Engenharias. O Parque Tecnológico terá sua estrutura dividida em três eixos centrais: Eixo da Inovação, que vai operar como instrumento de atração de empresas; Eixo da Tecnologia, que abriga a esfera institucional de suporte à interação entre universidades e empresas; o Eixo da Ciência, que envolve a estratégia de fortalecimento da produção científica.

Apoio

O empresário Edimar Margotto acredita que com o Projeto da Cidade Universitária e a chegada das Faculdades Santo Agostinho, “estamos preparando Itabuna e a região para a retomada do desenvolvimento e Fernando Gomes vem fazendo isso com maestria, através da sua liderança e competência”.  Ele citou como efeito multiplicador dos centros de ensino superior, que o novo curso de medicina da FAS começa com a oferta de 85 vagas no primeiro ano e, num prazo de seis anos, mais de 510 estudantes já estarão atuando como estagiários nos postos de saúde e hospitais, ajudando na melhoria do atendimento aos pacientes. “Acredito que este projeto representa uma grande oportunidade para Itabuna, que em contrapartida está oferecendo todo o suporte de infraestrutura para as Faculdades Santo Agostinho e as demais instituições de ensino superior”.

O juiz Antônio Higino parabenizou o prefeito Fernando Gomes pela iniciativa de transformar Itabuna numa Cidade Universitária, destacando que a educação é prioridade e um fator essencial para qualquer projeto de desenvolvimento, o que aparece como prioridade para o governo local, que também investe em geração de emprego, renda e no combate à violência, uma ação abrangente e com impacto na cultura, economia e difusão do conhecimento no âmbito regional.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s