MEC divulga amanhã os resultados do Sisu

O Ministério da Educação (MEC) divulga amanhã (28) o resultado Sistema de Seleção Unificada(Sisu), pela internet e pelo aplicativo do Sisu. Os estudantes que não foram selecionados podem participar da lista de espera a partir de terça-feira (29).

Aqueles que foram selecionados devem fazer a matrícula nas instituições de ensino no período de 30 de janeiro a 4 de fevereiro. Os estudantes devem ficar atentos aos dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em seu edital próprio.

Quem não foi selecionado pode ainda participar da lista de espera. A adesão pode ser feita na página do Sisu a partir desta quarta-feira até o dia 5 de fevereiro. Esses alunos serão convocados pelas próprias instituições de ensino a partir do dia 7 de fevereiro.

A principal novidade deste ano é que os estudantes que forem selecionados em qualquer uma das duas opções feitas na hora da inscrição não poderão participar da lista de espera. Até o ano passado, aqueles que eram selecionados na segunda opção podiam ainda participar da lista e ter a chance de ser escolhido na primeira opção.

Ao todo, o Sisu oferece, nesta edição, 235.461 vagas em 129 instituições públicas de todo o país. Puderam se inscrever no programa os estudantes que fizeram o Enem 2018 e obtiveram nota acima de zero na prova de redação. Segundo o MEC, 3,5 milhões de estudantes preencheram os requisitos.

Anúncios

Bolsonaro chega ao Hospital Albert Einstein em São Paulo para exames

O presidente Jair Bolsonaro chegou ao Hospital Albert Einstein, capital paulista, na manhã deste domingo, por volta das 10h30, onde será internado e tem cirurgia marcada para amanhã pela manhã para a retirada da bolsa de colostomia. Ele usa a bolsa desde setembro do ano passado após ter sofrido uma facada.

O presidente desembarcou no aeroporto de Congonhas, na zona sul da cidade, e chegou ao hospital em um comboio de carros.

A partir da cirurgia de intervenção, o vice-presidente Hamilton Mourão assumirá a presidência e ficará no cargo enquanto Bolsonaro se recupera da operação. A recuperação absoluta recomendada pelos médicos deve durar 48 horas.

Após este período, Bolsonaro poderá voltar a desempenhar as atividades como presidente da República. No entanto, deve permanecer em São Paulo por um período estimado em 10 dias, acompanhado da primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ele promete despachar diariamente.

Bolsonaro usa uma bolsa de colostomia desde que foi esfaqueado em um ato de campanha, em Juiz de Fora, dia 6 de setembro. A facada atingiu o intestino e o então candidato foi submetido a duas cirurgias, uma na Santa Casa de Juiz de Fora e outra no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. A bolsa de colostomia utilizada por ele por cerca de quatro meses funciona como um intestino externo e possibilita a recuperação do intestino grosso e delgado.

A previsão é que o presidente seja submetido hoje a exames de sangue e clínicos.

A estimativa é que a operação dure cerca de três a quatro horas. A evolução da recuperação do paciente é que vai determinar a alta. Segundo  porta-voz Rêgo Barros, a imprensa será informada diariamente sobre o quadro de saúde do presidente, bem como de suas atividades no Hospital Albert Einstein.        (Agência Brasil)

Sete governadores já decretaram estado de calamidade financeira

A situação fiscal dos estados vai influenciar o trabalho dos seus representantes no Congresso Nacional, que tomam posse na próxima sexta-feira, dia 1º de fevereiro, às 10h. Conforme dados do Banco Central, Tesouro Nacional e Instituto Fiscal Independente (IFI), é generalizado o quadro de dificuldades de receita e de despesa das unidades da Federação.

As demandas dos estados reforçarão a agenda de ajuste fiscal que o governo federal deverá propor ao Legislativo, inclusive a emenda constitucional para a reforma da Previdência Social. Conforme Antônio Augusto de Queiroz, que há mais de 30 anos acompanha o Congresso pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), “a situação quase endêmica das finanças estaduais vai abrir uma repactuação com a União”.

Segundo ele, o governo federal e os governos estaduais atuarão em conjunto no Congresso em favor de “compromissos coincidentes” e de um “pacto de esforço sistêmico e sintonizado” para privatizações de companhias estatais, controle de despesas, revisão do regime jurídico do funcionalismo público e outras reformas fiscais.

Crise gigantesca

Necessitando de soluções urgentes, a situação dos estados foi se deteriorando nos últimos anos com o aumento de gasto previdenciário. O quadro fiscal se agravou com a recessão econômica, desde o último trimestre de 2014, que afetou a receita. “Essas duas coisas é que fizeram os estados como um todo entrassem numa crise financeira gigantesca”, assinala o economista Raul Veloso, especialista em finanças públicas.

A necessidade de ajustamento das contas públicas dos estados é estudada por órgãos de monitoramento, política monetária e controle fiscal no âmbito federal. Segundo o IFI, do Senado Federal, a dívida consolidada líquida de todos os estados evoluiu de R$ 353,2 bilhões em 2009 para R$ 746,4 bilhões em agosto de 2018.

Em análise sobre a capacidade de pagamento dos estados feita pelo Tesouro Nacional, e publicada no Guia para o Governador, apenas o Espírito Santo obteve nota “A”. O resultado de cada estado computou os indicadores de endividamento, de poupança corrente, e de liquidez. Os piores resultados foram para o Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Estados ricos

O Banco Central também monitora as estatísticas fiscais das unidades da Federação. Planilha publicada no final de 2018 chama atenção para a contabilidade dos estados mais ricos. Segundo a Tabela 29, de estatísticas fiscais regionais, a dívida líquida do Rio de Janeiro em novembro passado era 57,4% acima que a receita. No caso do Rio Grande do Sul, o percentual era de 38,3%; São Paulo, 22,9%; e Minas 21,6%.

Fábio Klein, analista sênior de finanças públicas da consultoria Tendências, explica que além das dificuldades comuns – como gastos previdenciários, folha de pagamento dos servidores em alta, e recessão -, esses estados foram os que mais sofreram com a diminuição da atividade industrial por causa da crise e a respectiva baixa na arrecadação. No caso do estado do Rio de Janeiro, ele acrescenta que o desequilíbrio piorou a perda de arrecadação deroyalties e os elevados gastos para a realização das Olimpíadas (2016).

O analista espera que em eventual repactuação da dívida entre estados e a União, os novos governadores assumam postura diferente dos seus antecessores “Na história, o que eu vejo é sempre assim: os estados sempre batem a porta da União pedindo ajuda, mas sempre postergam os movimentos de ajuste. Os estados querem todos os benefícios, mas na hora de fazer a dura lição de casa, não vemos esse movimento”.

Até o momento, sete unidades da Federação decretaram estado de calamidade. Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro (pela segunda vez) fizeram no final do ano passado. Rio Grande do Norte, Roraima, Mato Grosso e Goiás neste ano.

Ao decretar estado de calamidade, o governador ganha liberdade para descumprir os limites de gasto da Lei de Responsabilidade Fiscal, rever metas, repactuar dívidas e pagamentos. Além desse recurso, os estados podem aderir ao Regime de Recuperação Fiscal e deixar de pagar por três anos (prorrogáveis pelo mesmo período) a dívida junto ao Tesouro Nacional e até contrair novo empréstimo.

Até o momento, apenas o Rio de Janeiro aderiu. O especialista Raul Veloso chama atenção para que o estado cumpra um programa de ajuste. “É uma redução de aperto para voltar a respirar. Mas nada é de graça. Quando voltar a fazer os pagamentos, a dívida que não foi paga por acordo estará maior”, afirma.(Agência Brasil)

Anunciado desenvolvimento de uma nova plataforma de negociação de criptomoedas

PRNewswire/ — O Cayman Islands Investment Group Ltd. anunciou o desenvolvimento de uma nova Plataforma de Negociação de Ativos Digitais, baseada nas Ilhas Cayman. “Estamos verdadeiramente empolgados por apresentar ao mundo uma nova plataforma”, disse Corvin Mclean Jr, diretor-gerente do Cayman Islands Investment Group Ltd..

Feedback positivo

Os resultados de uma recente pesquisa indicam que muitos operadores reconhecem os benefícios da disponibilidade da plataforma de negociação (exchange) do CIIG. A facilidade do acesso e o vasto conhecimento dos membros da equipe de tecnologia do CIIG prometem proporcionar aos usuários uma experiência agradável e diferenciada. A plataforma foi definida para ser um dos mais novos projetos relacionados com cadeia de blocos a serem lançados nas Ilhas Cayman.

“Isso era necessário”, disse um dos participantes do grupo pesquisado. “O mundo está progredindo e chegou a hora do setor financeiro das Ilhas Cayman fazer o mesmo!”.

Cronograma

A plataforma de negociação do CIIG é uma plataforma impulsionada pela acessibilidade e pela segurança. As Ilhas Cayman são conhecidas há tempos como um super centro financeiro do Caribe. O CIIG tem por objetivo utilizar as mesmas medidas de segurança e conformidade exibidas no setor financeiro para assegurar uma agradável experiência de negociação para todos os tipos de usuários. Ativos digitais populares como Bitcoin, Ethereum, Ripple e Monero são apenas uma parte dos ativos que estarão disponíveis para comércio na plataforma de negociação. A plataforma de negociação do CIIG tem lançamento previsto para o primeiro trimestre de 2019, com a fase de testes Beta já iniciada em janeiro.

Fundado em 2018, o Cayman Islands Investment Group Ltd. é uma empresa de comércio via Internet. A empresa oferece uma vasta série de produtos e serviços projetados para ampliar as possibilidades de comércio no Caribe.

O Cayman Islands Investment Group Ltd. é uma empresa registrada das Ilhas Cayman.

Suzana Santos inicia obras de nova fábrica de calçados em Itapetinga

A empresa Suzana Santos já deu início à reforma do galpão, localizado no bairro Quintas do Morumbi, que abrigará uma nova fábrica de calçados em Itapetinga. O equipamento, concedido pelo Governo do Estado, foi alvo de atos de vandalismo no início deste mês, que estão sendo investigados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). A nova unidade fabril terá investimento de R$ 4 milhões e vai gerar 400 novos empregos.

“Nossa expectativa é que até o final de fevereiro ou no máximo início de março deste ano a fábrica de calçados Itapetinga II esteja pronto para operar”, reforçou Almir Santos, presidente do grupo Suzana Santos.    

O anúncio da instalação da nova unidade foi feito no início deste ano, em reunião entre a empresa, o governador Rui Costa e a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), Luiza Maia. “Essa segunda fábrica da Suzana Santos em Itapetinga representa o esforço do Governo do Estado em potencializar a regionalização dos investimentos”, destacou a titular da SDE.

Terminam hoje as inscrições para o Sisu

Termina hoje (27) o prazo de inscrição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Os estudantes terão acesso ao sistema até as 23h59, no horário de Brasília. A inscrição é feita pela internet.

O Sisu oferece, nesta edição, 235.461 vagas em 129 instituições públicas de todo o país. Podem concorrer às vagas os estudantes que fizeram o Enem 2018 e obtiveram nota acima de zero na prova de redação. Segundo o MEC, 3,5 milhões de estudantes preenchem os requisitos e podem concorrer às vagas.  

Até o fim do período de inscrição, os candidatos podem mudar as opções de curso. Será válida a última opção confirmada.

Nota de corte

Nesta madrugada, à meia-noite, será divulgada a última nota de corte. A nota de corte é uma estimativa com base nos candidatos inscritos até o momento. Embora não seja uma garantia da vaga, é possível usar a informação para orientar a escolha.

Além da nota de corte, o candidato pode consultar, em seu boletim, a classificação parcial na opção de curso escolhido. A classificação parcial é calculada a partir das notas dos candidatos inscritos na mesma opção. Trata-se, assim como a nota de corte, de uma referência e não de um garantia de vaga.

Na hora da inscrição, os estudantes podem escolher até duas opções de curso, em ordem de preferência. A principal novidade deste ano é que os estudantes que forem selecionados em qualquer uma das duas opções não poderão participar da lista de espera. Até o ano passado, aqueles que eram selecionados na segunda opção podiam ainda participar da lista e ter a chance de ser escolhido na primeira opção.

Calendário

O resultado será divulgado na segunda-feira (28). A matrícula dos selecionados deve ser feita de 30 de janeiro a 4 de fevereiro.

Do dia 29 de janeiro ao dia 5 de fevereiro, os estudantes que não foram selecionados na chamada regular, em nenhuma das opções, podem manifestar o interesse em participar da lista de espera. Esses alunos serão convocados pelas próprias instituições de ensino a partir do dia 7 de fevereiro.

Durante o período de inscrição, o sistema do Sisu registrou sobrecarga, o que causou lentidão e dificultou o acesso dos estudantes. Isso fez com que o MEC adiasse o fim do prazo de inscrição, que terminaria na sexta-feira (25).

Os candidatos podem acompanhar a inscrição pela internet, no site do Sisu, ou pelo aplicativo do sistema de seleção. Pelo app, é possível ter acesso às classificações parciais e notas de corte, ver o resultado final e a lista de aprovados.(Agência Brasil)

Bitcoin e outras criptomoedas vieram para ficar

Durante o inverno das criptomoedasno final de 2018, muitas figuras públicas anti-cripto pediram “a morte do bitcoin”. Considerando o fato de que o BTC caiu de quase US$ 20.000 para cerca de US$ 3.000 em um período de doze meses, ninguém pode culpá-los. Quando se olha para o quadro mais amplo, no entanto, descobre-se que o bitcoin tem experimentado um crescimento sustentável nos últimos 10 anos.

De acordo com dados coletados por Rhythm Trader, especialista e entusiasta da criptomoeda, os dados baixos anuais da BTC aumentaram drasticamente ao longo dos anos. O único ano em que não foi consistente, foi 2015. No ano de 2012, o Bitcoin atingiu uma baixa anual de US$ 4.

Comparando uma baixa de US$ 4 em 2012 para um mínimo de US$ 3200 em 2018 significa um ganho de 80.000% dentro de um período de sete anos.

post de Rhythm Trader foi o seguinte:

“ $4: 2012 
$65: 2013 
 $200: 2014 
 $185: 2015 
$365: 2016 
 $780: 2017 
$3,200: 2018.

Apenas más notícias chegam às manchetes — uma década de crescimento sustentado não.”

Com seu post como prova, Rhythm insistiu que o bitcoin cresceu consistentemente nos últimos sete anos. Além do valor do BTC, outras estatísticas mostram que a criptomoeda emblemática fez muito progresso desde o início. De acordo com o Blockchain.com, o hashrate do BTC também aumentou significativamente na última década e ainda existem cerca de 250.000 transações realizadas na rede diariamente.

Mesmo que a queda de preços tenha sido a questão popular no ano passado, muitos desenvolvimentos foram feitos. Jameson Lopp, diretor de tecnologia da BitGo, disse que, “quando você considera cada métrica além do preço, verá que o bitcoin está melhorando diariamente”. Listando muitas estatísticas de alta, Lopp disse que o número de caixas eletrônicos bitcoin aumentou 100% no ano de 2018. Ele também observou que o hashrate dobrou entre 2017 e 2018.

Na frente institucional, a comunidade de criptomoeda também avançou. Segundo especialistas da Intertradec – Exchange & Wallet, empresa brasileira responsável por facilitar o acesso do público à nova economia, o mercado têm crescido apesar das quedas e a perspectiva para o ano de 2019 é de grande aumento no uso genuíno das criptomoedas e no crescimento das stablecoins*. Um dos exemplos da genuinidade é de que este ano deve haver uma expansão do setor de pagamentos criptografados, setor que requer mais serviços que permitem que os detentores de criptomoedas realizem transações sem ter que gastar com inúmeras taxas ou sair da criptografia para fazer pagamentos fiduciários. 

Outro fator relevante do mercado, é que a comunidade de criptomoedas aumentou à medida que mais pessoas se interessaram pelo setor. Tal interesse é consequência da facilidade de acesso ao mercado, autonomia financeira que este proporciona e, de acordo com a Intertradec, que disponibiliza a compra de criptomoedas a partir de R$50,00, a oportunidade para um maior número de brasileiros passarem a utilizar a tecnologia do mercado financeiro digital.

Em 2019, os preços ainda não aumentaram. Isso não significa que o desenvolvimento tenha parado. Ainda há desenvolvimento temático ocorrendo nos bastidores que continuarão até o final do ano e além. Isso foi previsto por muitos especialistas no mundo financeiro. Bitcoin e criptomoedas estão aqui para ficar, apesar do mercado imprevisível, ninguém pode confortavelmente garantir a ninguém o que este ano trará.

*Stablecoins: ativos digitais que têm seu valor atrelado ao de uma moeda fiduciária.