Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018

A Receita Federal paga hoje (17) as restituições referentes ao sétimo e último lote do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (IRPF) de 2018. Este lote contempla também restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017. As consultas foram liberadas no último dia 10. Quem não estiver neste lote é porque está na malha fina.

O crédito bancário é destinado a 151.248 contribuintes e soma mais de R$ 319 milhões. Desse total, R$ 127.393.752,50 referem-se ao quantitativo de contribuintes que têm prioridade no recebimento: idosos acima de 80 anos, 19.081 contribuintes entre 60 e 79 anos, 3.157 contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou doença grave e 9.297 contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.(AGÊNCIA BRASIL)

Anúncios

Parceria viabiliza projeto de proteção infantil

O Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente de Itabuna estará lançando, nesta terça-feira (18), às 8h30min, na sede do Centro de Atenção Integral à Criança Jorge Amado – CAIC, no bairro Jardim Primavera, o projeto “18 de Maio”, em parceria da Prefeitura Municipal de Itabuna, através das secretarias de Assistência Social (SAS) e Educação (SME), além do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), Defensoria Pública e entidades da sociedade civil organizada.

O conselheiro Washington Alves explica que o projeto envolve ainda os Amigos do Conselho Tutelar e os Centros de Referência Especializados em Assistência Social (CREAS).

Embraer e Boeing firmam parceria para acelerar crescimento

A Embraer e a Boeing informaram hoje (17) que aprovaram os termos da parceria estratégica para acelerar o crescimento em mercados aeroespaciais globais para as duas empresas. A parceria contemplará a aviação comercial da Embraer e serviços associados com participação de 80% da Boeing, no valor de US$ 4,2 bilhões, e de 20% da Embraer.

A expectativa é que a parceria não terá impacto no lucro por ação da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes. A joint venture deve gerar sinergias anuais de cerca de US$ 150 milhões até o terceiro ano de operação.(Agência Brasil)

Proposta de calendário de vacinação para 2019 será apresentada nesta quinta

Uma proposta de calendário para pautar a articulação de órgãos de saúde no ano de 2019 com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal da população nos municípios baianos será apresentada e discutida nesta quinta-feira, 20, às 11h, na sede da União dos Municípios da Bahia (UPB), no CAB, em Salvador. A proposta foi idealizada em reuniões conduzidas pelo Ministério Público estadual, por meio do promotor de Justiça Carlos Martheo Guanaes. Ele explicou que a ideia é que em todos os meses do ano haja uma mobilização pré-programada que enfatize determinadas enfermidades e suas respectivas especificidades. Em janeiro, segundo a proposta, as ações priorizariam a vacina BCG, contra a tuberculose.

Segundo Carlos Martheo, a proposta de calendário tem sido discutida junto às Secretarias Estadual (Sesab) e Municipal de Saúde de Salvador (SMS); às Secretarias Estadual (SEC) e Municipal de Educação (SMED); ao Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (Cosems); à Sociedade Baiana de Pediatria (Sobap) e à Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). Representantes de todos esses órgãos estarão presentes na reunião. O promotor informou que a ideia de construção do calendário decorreu do baixo desempenho de Salvador durante a campanha nacional de vacinação contra a poliomelite e o sarampo, doenças com aumento expressivo de casos registrados neste ano no país. A capital baiana registrou 78% de vacinação para essas enfermidades na população considerada vulnerável.

Maternidades

O promotor Carlos Martheo tem realizado reuniões com os responsáveis de maternidades de hospitais públicos e privados para mapear a situação das unidades quanto à cobertura vacinal dos recém-nascidos. Segundo o promotor, o objetivo é que todas as maternidades consigam implementar nas suas dependências salas de vacinação, construindo assim uma rede municipal de imunização.

Resíduos sólidos tem proposta de gerenciamento

Visando atender a Política Estadual de Resíduos Sólidos, o Superintendente de Planejamento e Gestão Territorial, Armindo Gonzalez Miranda apresentou aos gestores, uma proposta de Cooperação Técnica do Governo do Estado para o gerenciamento adequado do descarte de lixo no Sul da Bahia.
A iniciativa visa a instalação de unidades de triagens e transbordo nos municípios ligados ao Consórcio Litoral Sul para envios dos resíduos finais até uma usina ou outro modelo que se apresente pelos estudos técnicos que serão realizados. Para isso, os municípios precisam estar engajados na construção do Plano Intermunicipal de Resíduos Sólidos e a Proposta de Manifestação de Interesse (PMI), que deverá ser lançado pelo Governo, visando a solução técnica definitiva.

Prefeitos defendem associativismo na Amurc

Num encontro entre prefeitos, vice-prefeitos, secretários municipais e funcionários da Amurc, o presidente da instituição e prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio avaliou a gestão de 2017/2018 e destacou a importância do associativismo para o aprimoramento da gestão pública municipal.
O presidente falou que os municípios possuem demandas diversas, e que ao longo dos dois anos foram compartilhadas através do Programa de Apoio Gerencial e Institucional às Prefeituras do Território Litoral Sul – AGIR-LS, desenvolvido pela Amurc, em parceria com a Pró-reitoria de Extensão da Uesc.
A iniciativa atende as demandas, que são apontadas pelos próprios secretários municipais nos fóruns de Educação, Saúde, Agricultura e Meio Ambiente, Cultura, Assistência Social, Finanças e Planejamento, Procuradoria, Administração, Comunicação e Turismo.
Com o apoio de parceiros como a Universidade Estadual de Santa Cruz – Uesc, Sebrae, Mouve Brasil, Institutos Natura e Arapyaú, a Amurc capacitou profissionais ligados a gestão pública visando implementar as melhores práticas de gestão nos municípios associados. O resultado são gestores e técnicos cada vez mais engajados na melhoria da gestão municipal.
Nesse sentido, “a Associação cumpre o seu papel, de ser interlocutora junto ao governo do Estado e a União, com o apoio da União dos Municípios da Bahia – UPB e a Confederação Nacional dos Municípios – CNM, que juntas representam o coletivo dos municípios”.
Participaram do encontro, prefeitos e representantes dos municípios de Almadina, Coaraci, Camamu, Firmino Alves, Itacaré, Maraú, Nova Canaã e Ubaitaba, que reforçaram a importância da Amurc para o desenvolvimento dos municípios e o fortalecimento da gestão pública.

Consórcio é alternativa para investimento em sistemas de energia solar

A preocupação com o meio ambiente e o desejo de diminuir os gastos com a conta de luz têm feito com que, cada vez mais, os consumidores optem por sistemas de energias mais sustentáveis, como a solar. Segundo o relatório “Tendências globais no investimento em energias renováveis 2018”, publicado pela ONU Meio Ambiente no início deste ano, somente em 2017, o mundo instalou um recorde de 98 gigawatts (GW) de nova capacidade solar e investiu cerca de 160,8 bilhões de dólares nesse tipo de energia – um aumento de 18% na comparação com o ano anterior, e mais do que qualquer outra tecnologia.

“Quando ampliamos a geração de energia para consumo advinda de fonte solar, deixamos de impactar diretamente sobre o meio ambiente, evitando a construção de grandes hidrelétricas que provocam perda de biodiversidade, com supressão de vegetação e barragem de rios, e evitamos a liberação de gases de efeito estufa (termelétricas a gás ou carvão mineral). Os benefícios são imensos”, explica o doutor em Ecologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, pós-doutor pela University of Wisconsin (EUA) e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Fabiano Melo.

Apesar das vantagens ao meio ambiente e do aumento na procura por esse tipo de energia, a compra e instalação de painéis solares ainda custam caro, sobretudo no Brasil. Entretanto, o investimento vale a pena, especialmente quando observados o potencial de valorização do imóvel com placas solares, que varia de 3% a 6%, segundo pesquisas do Departamento de Energia dos Estados Unidos, e a redução da conta de luz, que pode ultrapassar facilmente os 60%. “A compra e instalação de um sistema fotovoltaico para uma residência custa a partir de R$ 20 mil, podendo chegar a R$ 120 mil em uma casa de alto padrão. Por outro lado, a pessoa recupera rapidamente esse investimento, tendo em vista a redução significativa no valor da conta de luz”, avalia André Marini, diretor comercial da Ademilar Consórcio de Investimento Imobiliário.

Consórcio: alternativa para compra

Uma alternativa para driblar os altos custos de compra de um sistema fotovoltaico em casa ou na empresa está no consórcio, que funciona como uma poupança programada, sem a cobrança de entrada e juros. “É um sistema de autofinanciamento, no qual as pessoas vão pagando parcelas para formar um fundo. Quanto mais o grupo arrecada, melhor para os participantes”, explica Marini.

Especialista em consórcio de imóveis, a Ademilar conta com planos diversos para a compra de painéis solares. Os créditos variam de R$ 85 mil reais a R$ 2 milhões, com parcelas a partir de R$ 360. O crédito é atualizado anualmente com base no INCC (Índice Nacional de Custo de Construção), o que garante poder de compra. Vale frisar que a compra do sistema fotovoltaico, por meio do consórcio, pode ser feito se o consorciado optar pelo processo de reforma.

O consórcio pode ser feito tanto por pessoas físicas como jurídicas. As contemplações mensais acontecem por sorteio e lances. Além disso, o consumidor pode contar com consultoria para saber qual sistema fotovoltaico adotar, de acordo com o valor gasto em energia. “O cliente entrega a conta de luz e a empresa que faz a parceria com o licenciado Ademilar já desenvolve o projeto ideal para cada cliente”, finaliza Marini.

Usina solar a custo zero

Uma usina solar que gera energia para utilização no câmpus Ecoville da Universidade Positivo, em Curitiba, acaba de entrar em funcionamento. A geração é equivalente ao abastecimento de 46 residências e deixa de emitir 8 toneladas de CO2 por ano na atmosfera. A grande novidade é que para implantar a tecnologia a instituição não teve custo. A transação utilizada foi viabilizada por meio da Alexandria – empresa brasileira de tecnologia especializada em energias renováveis – que buscou uma alternativa que tivesse o pagamento mensal menor do que o custo com a concessionária de energia. “Além de ter uma economia imediata, outra vantagem é que depois de um período, a usina passa ser propriedade do cliente a custo zero”, afirma o empresário Alexandre Brandão responsável pelo negócio.

Segundo Brandão, os repasses mensais dos clientes são revertidos em LexTokens, a unidade de financiamento das usinas. A instalação da usina solar nesse modelo é apenas a primeira fase de implantação de um grande projeto. A Universidade Positivo montou um estudo de implementação de forma faseada, que irá combinar vários tipos de energias renováveis e deve seguir no próximo ano com objetivo de dar autossuficiência energética para o grupo.

De acordo com o gerente de Serviços Administrativos da Divisão de Ensino do Grupo Positivo e Gestor do Projeto de Eficiência Energética, Jair Bordignon, a Universidade Positivo já buscava uma solução sustentável há algum tempo. “A usina solar é fundamental tanto do ponto de vista ecológico, quanto do acadêmico. Os estudantes de Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Elétrica e Engenharia de Energia, por exemplo, podem utilizar a usina para a prática pedagógica. Além disso, a usina integra o Sistema de Gestão Ambiental da instituição, que já conta com o mercado livre de energia” explica.